terça-feira, 21 de setembro de 2010

... entre vinhos e chuva!


As taças se encontram num tilintar quase imperceptível
Quebrando o silêncio da chuva do fim de inverno
O gosto doce do vinho nos lábios úmidos
Se confunde com o teu gosto ainda quente

Toma minha taça em tuas mãos, se delicia com o vinho
Recosta minha cabeça em teu braço e se inclina sobre mim
Beija meu pescoço e silenciosamente arruma meu cabelo
Sua respiração suave, enquanto se coloco entre minhas pernas

A respiração se tornando ainda mais densa, ofegante
Sinto suas mãos deslizando dentro de minha blusa
O toque gélido arrefecendo meu corpo quente
E minha pele agora em chamas com o contraste

Em meio a sussurros e gemidos indescritíveis
Ouço as gotas de chuva riscando o vidro embaçado
Afasta minhas pernas e sinto o calor me invadir enquanto me possui
E com o gosto do vinho ainda em meus lábios, te sinto outra vez dentro de mim

segunda-feira, 13 de setembro de 2010

...intensidade!




Como se não houvesse mas tempo para nós
Ousamos viver o que sequer imaginavamos
Recriando emoções nunca antes sentidas
Vivenciamos prazeres a tempos esquecidos

Segurando minhas mãos sob minha cabeça
Contorna meu corpo com teus lábios
Sinto o calor de teu hálito em meu ventre
E o deslizar de teu cabelo em minhas curvas

Com uma delicadeza que não se descreve
Sutilmente começa a me despir
Beijando por inteiro minhas pernas
Me faz delirar sem ao menos me tocar

A luz a meio fio, o som de um jazz qualquer
Um beijo interminável, sussurros indecifráveis
As mãos se encontram entrelaçadas
E começam a ditar o ritmo que nos embala

Me deita de bruços e massageia meu corpo
E tudo que ousei dizer sobre ti se confirma
Tão fugaz... sua intensidade se perpetua
Me possui como se eu fosse única

A calmaria que me domina e nos rodeia
É somente fruto de segurança que transmite
E quando acordo, são teus os olhos que percebo em mim
E teu sorriso escancarado me incita a recomeçar num beijo!